EUA AMPLIAM SEU PODER NO ATLĀNTICO NORTE

 

Nova conjuntura no Atlântico Norte: Marinha dos EUA reativa a 2ª Frota



N-TV KÖLN



Sábado, 5 de Maio de  2018



Estados Unidos continuam a erguer a sua presença militar na região oceânica entre a costa norte-americana e a Europa. Almirante Richardson, Chefe do Estado Maior, anunciou o retorno da lendária 2ª frota. Observadores e analistas afirmam que é um claro movimento contra a Rússia.



Os planejadores das forças navais no Pentágono estão introduzindo um novo braço militar no Atlântico Norte. A Marinha de Guerra dos EUA anunciou a reativação da 2ª Frota americana. "A unidade recebeu a tarefa de coordenar, de maneira conjunta, os setores da costa leste dos EUA e o Atlântico Norte", afirmou o almirante americano John M. Richardson.



Richardson que é chefe do Estado Maior da Marinha dos EUA ressaltou, dentre outras coisas, que essa é uma das respostas geradas pela mudança na Estratégia Nacional de Defesa dos EUA, no setor naval. "No início do ano foram publicadas as diretrizes estratégicas, assim como o esclarecimento de suas especificidades", disse Richardson, em anúncio das amplas medidas a serem executadas.



O mundo entrou em uma nova era de propaganda entre as maiores potências do planeta, ao mesmo tempo, em que o campo das políticas de segurança, se tornou algo mais desafiador e complexo. "É preciso estar preparado para essas novas mudanças, especialmente, no Atlântico Norte. Para isso, hoje reativamos a 2ª Frota", disse o almirante americano, tendo como cenário de suas declarações, o porta-aviões nuclear USS George H.W. Bush.



O quartel general da unidade poderá portanto, ser instalado na Base Naval de Norfolk, no Estado americano da Virgínia, que fica a aproximadamente 230 quilômetros ao sul de Washington D.C .



A 2ª Frota foi formalmente desmantelada há 7 anos atrás. A sua reativação oficial como unidade naval é parte de uma grande mudança estratégica, após as avaliações de autoridades em defesa e especialistas militares, como Jonathan Marcus. É um retorno do realinhamento das Forças Armadas Americanas, ao equilíbrio geopolítico entre as grandes potências, definindo-se qual o seu papel de atuação em atividades no exterior.



"Nesse momento o foco é a Rússia", escreveu Marcus em análise para a BBC. O aumento da presença na zona marinha entre os EUA e os aliados da OTAN na Europa, seria portanto, uma resposta ao aumento das atividades da Marinha russa na região.



As medidas resgatam também, um conhecido símbolo da história militar mundial. A 2ª Frota foi uma unidade da esquadra americana no período da Guerra Fria, responsável pela garantia da passagem de veículos blindados e soldados americanos dos EUA para a Europa. A unidade era dotada, dentre outras coisas, de navios de desembarque especiais para equipamentos pesados.



Navios, aviões e forças anfíbias



A existência da 2ª Frota, em grande parte, ainda está no papel. O almirante Richardson com as suas declarações, confirma que, por ora, o caminho para a estruturação de um novo Quartel-General da frota está aberto. Para tal, só é necessária uma equipe de 15 pessoas. De acordo com Richardson, logo logoserá atribuído a esse Estado-Maior, um grupo de navios, aviões e forças anfíbias. 



Pelo o que se sabe, futuramente, os militares americanos também planejam, enviar para a região, em caráter permanente, um grupamento completo com a presença de um porta-aviões.



Informações provenientes do círculo militar da OTAN, afirmam que nos últimos anos, foi detectado um grande aumento de unidades da Marinha Russa, como barcos-patrulha, no Mar Báltico, no Mar do Norte e no Ártico. Abaixo das superfícies desses mares, registrou-se também, um grande número do trânsito de submarinos, desde o fim da Guerra Fria. No ar são freqüentes os encontros com aeronaves militares russas, como aeronaves caça-bombardeio.



Tradução - Márcio Alexandre: http://www.ma-traducoes.webnode.com