DISCURSO DE TRUMP NA ARÁBIA SAUDITA
 

 

DISCURSO DO PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA, DONALD TRUMP, NA REUNIÃO DE CÚPULA DE PAÍSES ÁRABES, MUÇULMANOS E A AMÉRICA

Riyadh, Arábia Saudita, 21/05/2017

Quero agradecer ao rei Salman por suas palavras extraordinárias e ao magnífico Reino da Arábia Saudita por sediar a cúpula de hoje. Estou honrado de ser recebido por anfitriões tão graciosos. Sempre ouvi falar do esplendor de seu país e da bondade de seus cidadãos, mas as palavras não fazem jus à grandeza desse lugar notável e à incrível hospitalidade que você nos mostrou desde o momento em que chegamos.

Você também me hospedou na casa preciosa do rei Abdulaziz, o fundador do Reino que uniu seu grande povo. Trabalhando ao lado de outro líder amado - o presidente americano Franklin Roosevelt - o rei Abdulaziz começou a parceria duradoura entre nossos dois países. Rei Salman: seu pai ficaria tão orgulhoso de ver que você está continuando seu legado - e assim como ele abriu o primeiro capítulo de nossa parceria, hoje começamos um novo capítulo que trará benefícios duradouros para nossos cidadãos.

Permitam-me agora também estender a minha profunda e sincera gratidão a todos e cada um dos ilustres Chefes de Estado que vieram aqui hoje. Vocês nos honram com suas presenças, e envio os mais cordiais cumprimentos do meu país aos vossos. Sei que nosso tempo juntos trará muitas bênçãos tanto ao seu povo quanto ao meu.

Eu estou diante de vocês como um representante do Povo Americano, para trazer uma mensagem de amizade e esperança. É por isso que escolhi fazer da minha primeira visita ao estrangeiro uma viagem ao coração do mundo muçulmano, à nação que serve como guardiã dos dois locais mais sagrados da Fé Islâmica.

Em meu discurso de posse ao povo americano, prometi fortalecer as mais antigas amizades dos Estados Unidos e construir novas parcerias em busca da paz. Prometi também que os Estados Unidos não procurarão impor o nosso modo de vida aos outros, mas estender as mãos no espírito de cooperação e confiança.

Nossa visão é de paz, segurança e prosperidade - nesta região e no mundo.

Nosso objetivo é uma coalizão de nações que compartilhem o objetivo de erradicar o extremismo e proporcionar aos nossos filhos um futuro esperançoso que honre a Deus.

E, portanto, essa reunião histórica e sem precedentes de líderes - única na história das nações - é um símbolo para o mundo de nossa resolução compartilhada e nosso respeito mútuo. Aos líderes e cidadãos de todos os países reunidos aqui hoje, quero que saibam que os Estados Unidos estão ansiosos para formar laços mais íntimos de amizade, segurança, cultura e comércio.

Para os americanos, este é um momento emocionante. Um novo espírito de otimismo está varrendo nosso país: em poucos meses, criamos quase um milhão de novos empregos, adicionamos mais de 3 trilhões de dólares à nossa riqueza, levamos os encargos à indústria americana e fizemos investimentos recordes em nossas forças armadas que irão proteger a segurança de nosso povo e aumentar a segurança de nossos maravilhosos amigos e aliados - muitos dos quais estão aqui hoje.

Agora, há ainda mais notícias abençoadas que tenho o prazer de compartilhar com vocês. Meus encontros com o rei Salman, o príncipe herdeiro e o vice-príncipe herdeiro foram preenchidos com grande calor, boa vontade e tremenda cooperação. Ontem, assinamos acordos históricos com o Reino que investirá quase US $ 400 bilhões em nossos dois países e criará milhares de empregos na América e na Arábia Saudita.

Este acordo inclui o anúncio de uma compra de defesa de US $ 110 bilhões financiada pela Arábia Saudita - e certamente ajudaremos nossos amigos sauditas a obter um bom acordo de nossas grandes empresas de defesa americanas. Este acordo ajudará os militares sauditas a assumir um papel maior nas operações de segurança.

Também iniciamos conversações com muitos dos países presentes sobre o reforço das atuais parcerias e a criação de novas, para promover a segurança e a estabilidade em todo o Oriente Médio e para além dele.

Mais tarde, faremos história novamente com a abertura de um novo Centro Global de Combate à Ideologia Extremista - aqui mesmo, nesta parte central do Mundo Islâmico.

Este novo centro inovador representa uma declaração clara de que os países de maioria muçulmana devem assumir a liderança no combate à radicalização e quero expressar nossa gratidão ao rei Salman por essa forte demonstração de liderança.

Tive o prazer de dar as boas-vindas à Casa Branca a vários dos líderes presentes hoje, e estou ansioso para trabalhar com todos vocês.

A América é uma nação soberana e a nossa primeira prioridade é sempre a segurança e a segurança dos nossos cidadãos. Não estamos aqui para dar lições - não estamos aqui para dizer a outras pessoas como viver, o que fazer, quem ser ou como adorar. Em vez disso, estamos aqui para oferecer parcerias baseadas em interesses e valores compartilhados - para buscar um futuro melhor para todos nós.

Aqui, nesta cúpula, vamos discutir muitos interesses que compartilhamos juntos. Mas, acima de tudo, devemos estar unidos na busca do único objetivo que transcende todas as outras considerações. Esse objetivo é atender o grande teste da história - conquistar o extremismo e vencer as forças do terrorismo.

Jovens meninos e meninas muçulmanos devem ser capazes de crescer livre de medo, seguros da violência, e inocentes de ódio.

E os jovens muçulmanos devem ter a oportunidade de construir uma nova era de prosperidade para si e para os seus povos. Com a ajuda de Deus, esta cúpula marcará o começo do fim para aqueles que praticam o terror e espalham seu vil credo. Ao mesmo tempo, oramos para que este encontro especial possa algum dia ser lembrado como o início da paz no Oriente Médio - e talvez, mesmo em todo o mundo. Mas este futuro só poderá ser alcançado através da derrota do terrorismo e da ideologia que a impulsiona.

Poucas nações foram poupadas de seu alcance violento. A América sofreu repetidos ataques bárbaros - desde as atrocidades de 11 de setembro à devastação do bombardeio de Boston, até as horríveis mortes em San Bernardino e Orlando. As nações da Europa também sofreram horror indescritível. Assim também as nações da África e até da América do Sul. Índia, Rússia, China e Austrália foram vítimas.

Mas, em números puros, o pedágio mais mortal tem sido exigido sobre o povo inocente das nações árabes, muçulmanas e do Oriente Médio. Eles têm suportado o peso das mortes e o pior da destruição nesta onda de violência fanática. Algumas estimativas sustentam que mais de 95% das vítimas do terrorismo são muçulmanas.

Nós enfrentamos agora um desastre humanitário e de segurança nesta região, que está se espalhando através do planeta. Trata-se de uma tragédia de proporções épicas. Nenhuma descrição do sofrimento e da depravação pode começar a captar toda a sua medida.

As verdadeiras consequências de ISIS, Al Qaeda, Hezbollah, Hamas e tantos outros, devem ser contadas não apenas no número de mortos. Mas também deve ser contado em gerações de sonhos desaparecidos.

O Oriente Médio é rico em beleza natural, culturas vibrantes e enormes quantidades de tesouros históricos. Deve se tornar cada vez mais um dos grandes centros globais de comércio e oportunidades.

Esta região não deve ser um lugar de onde os refugiados fogem, mas para onde os recém-chegados se reúnam.

A Arábia Saudita é o lar dos locais mais sagrados em uma das maiores religiões do mundo. Todos os anos milhões de muçulmanos vêm de todo o mundo para a Arábia Saudita para participar no Hajj. Além de maravilhas antigas, este país é também o lar de modernas - incluindo realizações em alta arquitetura.

O Egito era um próspero centro de aprendizado e realização milhares de anos antes de outras partes do mundo. As maravilhas de Gizé, Luxor e Alexandria são monumentos orgulhosos a essa herança antiga.

Em todo o mundo, as pessoas sonham em caminhar pelas ruínas de Petra, na Jordânia. O Iraque foi o berço da civilização e é uma terra de beleza natural. E os Emirados Árabes Unidos alcançaram alturas incríveis com vidro e aço, e transformaram terra e água em obras de arte espetaculares.

Toda a região está no centro das principais vias de navegação, do Canal de Suez, do Mar Vermelho e do Estreito de Ormuz. O potencial desta região nunca foi maior. 65 por cento da sua população é menor de 30 anos. Como todos os homens e mulheres jovens, eles procuram grandes futuros para construir, grandes projetos nacionais para se juntar, e um lugar para, com suas famílias, chamar de lar.

Mas esse potencial inexplorado, esta tremenda causa de otimismo, é mantido à distância pelo derramamento de sangue e pelo terror. Não pode haver coexistência com esta violência. Não podemos tolerá-la, aceitá-la, desculpá-la ou ignorá-la.

Toda vez que um terrorista assassina uma pessoa inocente e invoca falsamente o nome de Deus, é um insulto a toda pessoa de fé. Os terroristas não adoram a Deus, adoram a morte.

Se não agirmos contra este terror organizado, então sabemos o que vai acontecer. A devastação da vida pelo terrorismo continuará a se espalhar. As sociedades pacíficas serão engolfadas pela violência. E o futuro de muitas gerações será tristemente desperdiçado.

Se não nos mantivermos na condenação uniforme deste assassinato, então não apenas seremos julgados pelo nosso povo, não apenas seremos julgados pela história, mas seremos julgados por Deus.

Esta não é uma batalha entre diferentes crenças, diferentes seitas ou civilizações. Trata-se de uma batalha entre criminosos bárbaros que buscam obliterar a vida humana e pessoas decentes de todas as religiões que procuram protegê-la. Esta é uma batalha entre o Bem e o Mal.

Quando vemos as cenas de destruição na esteira do terror, não vemos sinais de que os assassinados eram judeus ou cristãos, xiitas ou sunitas. Quando olhamos para os rios de sangue inocente ensopando este chão antigo, não podemos ver a fé ou seita ou a tribo das vítimas - vemos apenas que eles eram filhos de Deus, cujas mortes são um insulto a tudo o que é santo.

Mas só podemos superar esse mal se as forças do bem estiverem unidas e fortes - e se todos nesta sala fizerem sua parte justa e cumprirem sua parte da carga.

O terrorismo espalhou-se por todo o mundo. Mas o caminho para a paz começa aqui, neste solo antigo, nesta terra sagrada.

A América está preparada para ficar com vocês - na busca de interesses compartilhados e segurança comum.

Mas as nações do Oriente Médio não podem esperar pelo poder Americano para derrotar este inimigo para elas. As nações do Oriente Médio terão que decidir que tipo de futuro querem para si, para seus países e para seus filhos. É uma escolha entre dois futuros - e é uma escolha que a América NÃO PODE fazer por vocês. Um futuro melhor só é possível se as vossas nações expulsarem os terroristas e os extremistas. Retirem-nos de onde estiverem. ELIMINE-OS de seus locais de culto. ELIMINE-OS de suas comunidades. ELIMINE-OS DE SUA TERRA SANTA, E OS CONDUZA MPARA FORA DESTA TERRA.

Por nossa parte, a América está empenhada em ajustar nossas estratégias para enfrentar ameaças em evolução e novos fatos. Vamos descartar as estratégias que não funcionaram - e aplicaremos novas abordagens informadas pela experiência e julgamento. Estamos adotando um Princípio de Realidade, enraizado em valores comuns e interesses compartilhados.

Nossos amigos nunca questionarão nosso apoio, e nossos inimigos nunca duvidarão da nossa determinação. Nossas parcerias promoverão a segurança através da estabilidade, não através de uma ruptura radical. Tomaremos decisões baseadas em resultados do mundo real - não em ideologias inflexíveis.

Seremos guiados pelas lições da experiência, não pelos limites do pensamento rígido. E, sempre que possível, procuraremos reformas graduais - e não uma intervenção súbita. Precisamos buscar parceiros, não perfeição - e fazer aliados de todos que compartilham nossos objetivos. Acima de tudo, a América procura a paz - não a guerra. As nações muçulmanas devem estar dispostas a assumir o fardo, se quisermos derrotar o terrorismo e mandar sua ideologia perversa para o esquecimento.

A primeira tarefa neste esforço conjunto é que as vossas nações neguem território aos soldados do mal. Todos os países da região têm o dever absoluto de garantir que os terroristas não encontrem um santuário no seu solo. Muitos já estão fazendo contribuições significativas para a segurança regional: os pilotos jordanianos são parceiros cruciais contra o ISIS na Síria e no Iraque. A Arábia Saudita e uma coalizão regional tomaram medidas fortes contra militantes Houthi no Iêmen. O exército libanês está caçando agentes do ISIS que tentam se infiltrar no seu território. Tropas dos Emiratos estão apoiando nossos parceiros afegãos. Em Mosul, as tropas americanas estão apoiando os curdos, sunitas e xiitas lutando juntos pela pátria. O Qatar, que hospeda o Comando Central dos EUA, é um parceiro estratégico crucial. Nossa parceria de longa data com o Kuwait e Bahrein continuam a melhorar a segurança na região. E corajosos soldados afegãos estão fazendo enormes sacrifícios na luta contra o Taliban, e outros, na luta por seu país.

Ao negarmos às organizações terroristas o controle do território e das populações, devemos também privá-las de seu acesso a fundos. Precisamos cortar os canais financeiros que permitem ao ISIS vender petróleo, deixar os extremistas pagarem seus lutadores e ajudar os terroristas a contrabandear seus reforços.
Tenho orgulho de anunciar que as nações aqui presentes estarão assinando um acordo para impedir o financiamento do terrorismo, chamado de Centro de Focalização do Financiamento do Terrorismo - co-presidido pelos Estados Unidos e Arábia Saudita, e com a participação de todos os membros do Conselho de Cooperação do Golfo. É outro passo histórico de um dia que será lembrado por muito tempo.

Também aplaudo o Conselho de Cooperação do Golfo por impedir que os financiadores usem seus países como base financeira para o terrorismo e ter designado o Hezbollah como organização terrorista, no ano passado. A Arábia Saudita também se juntou a nós esta semana ao impor sanções a um dos líderes mais importantes do Hezbollah.

Claro, ainda há muito trabalho a fazer.

Isso significa enfrentar honestamente a crise do extremismo islâmico e dos grupos terroristas islâmicos por ele inspirados. E significa ficar de pé contra o assassinato de muçulmanos inocentes, a opressão das mulheres, a perseguição aos judeus e a matança de cristãos.

Os líderes religiosos devem deixar isso absolutamente claro: a barbárie não lhe dará glória - a piedade para o mal não lhe trará dignidade. Se você escolher o caminho do terror, sua vida estará vazia, sua vida será breve, e SUA ALMA SERÁ CONDENADA.

E os líderes políticos devem falar para afirmar a mesma ideia: os heróis não matam inocentes, eles os salvam. Muitas nações hoje aqui tomaram medidas importantes para levar essa mensagem.

A visão da Arábia Saudita para 2030 é uma declaração importante e encorajadora de tolerância, respeito, capacitação das mulheres e desenvolvimento econômico.

Os Emirados Árabes Unidos também se envolveram na batalha pelos corações e almas - e com os EUA, lançaram um centro para combater a propagação on-line do ódio. O Bahrain também está trabalhando para minar o recrutamento e o radicalismo.

Aplaudo também a Jordânia, a Turquia e o Líbano pelo seu papel na acolhida de refugiados. O aumento de migrantes e refugiados que saem do Oriente Médio esgota o capital humano necessário para construir sociedades e economias estáveis. Em vez de privar esta região de tanta potencialidade humana, os países do Oriente Médio podem dar aos jovens a esperança de um futuro melhor em suas próprias nações e regiões.

Isso significa promover as aspirações e sonhos de todos os cidadãos que procuram uma vida melhor - incluindo mulheres, crianças de todas as fés.

Numerosos estudiosos árabes e islâmicos argumentaram eloquentemente que a proteção da igualdade fortalece as comunidades árabes e muçulmanas. Durante muitos séculos, o Oriente Médio tem sido o lar de cristãos, muçulmanos e judeus que vivem lado a lado. Devemos praticar a tolerância e o respeito uns pelos outros mais uma vez - e tornar esta região um lugar onde cada homem e cada mulher, não importa sua fé ou etnia, possa desfrutar de uma vida de dignidade e esperança.

Nesse espírito, depois de concluir a minha visita em Riad, vou viajar para Jerusalém e Belém, e depois para o Vaticano - visitando muitos dos lugares mais sagrados das três Fés Abraâmicas. Se essas três religiões podem se unir em cooperação, então a paz neste mundo é possível - incluindo a paz entre israelenses e palestinos. Eu me encontrarei com o primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu e o presidente palestino Mahmoud Abbas. Os terroristas famintos do seu território, o seu financiamento e o falso fascínio de sua ideologia maldosa, será a base para derrotá-los.

Mas nenhuma discussão sobre a erradicação dessa ameaça seria completa sem mencionar o governo que dá aos terroristas todos os três - porto seguro, apoio financeiro e a posição social necessária para o recrutamento. Um regime que é responsável por tanta instabilidade na região.

Estou falando, obviamente, do Irã. Do Líbano ao Iraque e ao Iêmen, o Irã financia, arma e treina terroristas, milícias e outros grupos extremistas que espalham destruição e caos em toda a região. Durante décadas, o Irã alimentou os incêndios de conflitos sectários e terror. É um governo que fala abertamente de assassinato em massa, prometendo a destruição de Israel, a morte para a América e a ruína de muitos líderes e nações nesta sala.

Entre as intervenções mais trágicas e desestabilizadoras do Irã estão na Síria. Assad cometeu crimes indescritíveis e os Estados Unidos tomaram medidas firmes em resposta ao uso de armas químicas proibidas pelo regime de Assad, lançando 59 mísseis tomahawk numa base aérea da Síria, de onde esse ataque assassino se originou. Nações responsáveis devem trabalhar em conjunto para acabar com a crise humanitária na Síria, erradicar o ISIS e restaurar a estabilidade na região. As vítimas que sofrem há mais tempo pelo regime iraniano são o seu próprio povo. O Irã tem uma rica história e cultura, mas o povo do Irã tem suportado dificuldades e desespero sob a perseguição imprudente dos seus líderes de conflito e terror.

Até que o regime iraniano esteja disposto a ser um parceiro para a paz, todas as nações conscientes devem trabalhar em conjunto para isolar o Irã, negar financiamento para o terrorismo e orar pelo dia em que o povo iraniano tenha o governo justo que merece.

As decisões que tomamos afetarão inúmeras vidas.

Rei Salman, agradeço a criação deste grande momento da história e seu enorme investimento na América, sua indústria e seus empregos. Agradeço também por investir no futuro desta parte do mundo. Esta região fértil tem todos os ingredientes para o sucesso extraordinário - uma rica história e cultura, um povo jovem e vibrante, um espírito próspero de empreendimento. Mas você só pode desbloquear esse futuro se os cidadãos do Oriente Médio forem libertados do extremismo, do terror e da violência.

Nós nesta sala somos os líderes de nossos povos. Eles olham para nós e esperam por respostas e por ação. E quando olhamos para os seus rostos, atrás de cada par de olhos há uma alma que anseia pela justiça. Hoje, bilhões de rostos estão olhando para nós, esperando por nós para agir sobre a grande questão do nosso tempo. Seremos indiferentes diante do mal? Protegeremos nossos cidadãos desta ideologia violenta? Vamos deixar seu veneno se espalhar por nossas sociedades? Vamos deixá-lo destruir os locais mais santos na terra?

Se não enfrentarmos este terror mortal, sabemos o que o futuro trará - mais sofrimento e desespero. Mas se agirmos - se deixarmos esta magnífica sala unificados e decididos a fazer o que for preciso para destruir o terror que ameaça o mundo - então não há limite para o grande futuro que nossos cidadãos terão. O berço da civilização está esperando para começar um novo renascimento. Imaginem o que o amanhã poderia trazer.

Maravilhas gloriosas da ciência, arte, medicina e comércio para inspirar a humanidade. Grandes cidades construídas sobre as ruínas de cidades destruídas. Novos empregos e indústrias que levantarão milhões de pessoas. Pais que já não se preocupam com seus filhos, famílias que não mais choram por seus entes queridos, e os fiéis que finalmente adoram sem medo. Estas são as bênçãos da prosperidade e da paz. Estes são os desejos que queimam com uma chama justa em cada coração humano. E estas são as justas exigências de nossos amados povos.

Peço-vos que se juntem a mim, unam-se, a trabalhem juntos e a lutem juntos - PORQUE UNIDOS, NÃO FALHAREMOS.

Obrigado. Deus vos abençoe. Deus abençoe seus países. E Deus abençoe os Estados Unidos da América.

Tradução: Heitor De Paola