TRUMP É A MAIOR AMEAÇA À NOVA ORDEM MUNDIALGLOBALISTA
 

 

PITTSBURGH NOT PARIS: É ASSIM QUE GOSTAMOS

Por Linda Goudsmit

ISRAPUNDIT

06/06/2017

O presidente Donald Trump retirou os EUA do acordo anti-americano de defesa do clima de Obama, dizendo: "Eu fui eleito para representar os cidadãos de Pittsburgh, e não de Paris".

O Acordo de Paris foi um dos muitos acordos anti-americanos feitos pelo presidente mais fora da lei que já ocupou o cargo.

Obama é um Globalista cuja "esperança e mudança" para a América foi / é a destruição da democracia e da soberania americanas em favor do socialismo e do internacionalismo.
O acordo anti-americano de Paris foi outra tentativa de internalizar leis em preparação para um mundo internacionalizado e a imposição de um governo mundial governado pela elite globalista. Obama assinou o Acordo de Paris em 2016 sem a aprovação do Senado, comprometendo-se a reduzir as emissões de gases de efeito estufa dos EUA 26 a 28% abaixo dos níveis de 2005 até 2025.

O Competitive Enterprise Institute (CEI) explica: "O Acordo põe em perigo a capacidade dos Estados Unidos de autogoverno. . . Ele habilita uma administração a assumir compromissos legislativos nas próximas décadas, sem autorização do Congresso e independentemente do resultado das próximas eleições". Http://dailycaller.com/2017/05/03/policy-experts-call-on- Trunfo-a-abandono-inconstitucional-paris-clima-tratado /

Claro que sim. Esse era o propósito de Obama e era sua intenção continuar o legado globalista através de Hillary Clinton. A derrota inesperada de Hillary lançou a marcha globalista de oito anos de Obama em desordem. Não importa. Fiel ao seu treinamento radical esquerdista, Obama seguiu as Rules for Radicals (Regras para os Radicais) de Saul Alinsky e reconstituiu-se como o líder do movimento de "resistência" para derrubar nosso presidente eleito constitucionalmente.

Trump é um nacionalista que põe a América em primeiro lugar (América Fisrt) e o maior obstáculo atual para o governo mundial.

Apesar de intensos esforços de lobbying de corporações globalistas, lobistas mundiais verdes, burocratas globistas da ONU, globais infames como Al Gore e até alguns membros da família, Trump reconheceu o Acordo de Paris como um negócio muito ruim para a soberania e os empregos americanos e ele manteve a promessa de sua campanha.

Ficar em um mau negócio por razões "diplomáticas" é absurdo. Donald Trump foi eleito precisamente porque ele não pratica os jogos diplomáticos políticos tradicionais. Trump é uma anomalia na política porque ele diz, e realmente faz o que disse.

Entregar o controle da Internet às Nações Unidas foi outro dos esforços anti-americanos de Obama para internalizar leis em preparação para um mundo internacionalizado e imposição de um governo mundial governado pela elite globalista.

A administração Obama entregou o controle americano da Internet, a Internet Corporation para Assigned Names and Numbers (ICANN) sem obter a aprovação do Congresso, outro exemplo de excesso executivo de Obama. Nomes e números atribuídos referem-se ao Sistema de Nomes de Domínio (DNS) na Internet, que é como um endereço web específico, o Uniform Resource Locator (URL), se conecta ao servidor correto e abre um site específico. Todas as informações, incluindo nomes, números e quaisquer outros dados que o DNS precisa fazer chegar ao site específico, são armazenados em um arquivo central conhecido como a Internet Assigned Numbers Authority (IANA).

Antes da entrega, a função da ICANN era supervisionar a forma como os endereços da Internet foram desmembrados e regular a IANA. Agora, a ICANN possui formalmente a IANA. Não é difícil ver como a internacionalização do funcionamento da Internet poderia ser usado para ajudar as elites globalistas a imporem um governo mundial manipulando informações ou acessando informações em todo o mundo.

Obama entregou o gerenciamento técnico americano da Internet à ICANN, que é uma organização global de governos em todo o mundo. A ICANN inclui um Government Advisory Committee, https://gacweb.icann.org/display/gacweb/GAC+Representatives, que tem representação de 111 países em todo o mundo, incluindo 108 membros da ONU e a Santa Sé, as Ilhas Cook e Taiwan. Muitos desses governos são anti-americanos e pró-globalismo.

Na década de sessenta, os americanos criticaram abertamente os países comunistas por manterem seus cidadãos com informações exclusivamente controladas pelo governo - nos orgulhamos de nossa liberdade de expressão e acesso aberto à informação. No século 21, após o 11 de setembro, os americanos criticaram abertamente os países islâmicos por terem propagandeado seus cidadãos com informações exclusivamente controladas pelo governo - nos orgulhamos de nossa liberdade de expressão e acesso aberto à informação. A entrega de Obama do controle da Internet à ICANN torna possível aos Estados Unidos perder a liberdade de expressão na internet - Obama sacrificou os interesses dos americanos na comunidade internacional que ele apoia.
Ted Cruz argumentou que a liberdade online agora está em perigo e que os governos autoritários que são membros da ICANN podem inibir a liberdade de expressão na Internet. Cruz observa: "governos estrangeiros e corporações globais terão cada vez mais voz no ICANN"que pode permitir a censura de expressão. Não é surpresa que as gigantes empresas tecnológicas globalizadas como Google, Facebook, Twitter, Amazon, Cloudflare e Yahoo suportem uma Internet mais controlada globalmente - é claro que sim. Essas corporações gigantes são administradas por Globalistas cujos negócios são globais e cujo interesse próprio é a internacionalização do mundo por maiores lucros e divisão dos mercados.

Eles usam um prisma de lucro empresarial e não de direitos humanos para decisões políticas, mesmo que seus proprietários falem sobre humanitarismo, altruísmo, justiça social e igualdade de renda. Não deve haver confusão entre o comércio global e o Globalismo. O comércio global é simplesmente a venda de bens em todo o mundo entre as nações. O comércio global pode ser justo ou injusto entre as nações. Se a Nova Ordem Mundial de um governo mundial for imposta, o comércio global será um conceito sem sentido porque haverá apenas uma nação, um mercado e um governo. O Globalismo e a Nova Ordem Mundial foram romantizados e desonestamente comercializados como o sistema internacional que proporcionará ao mundo igualdade de renda e justiça social. Músicas foram escritas sobre o Globalismo. O "Imagine" de John Lennon é o hino globalista. Considere sua letra:


Imagine there’s no heaven
It’s easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people living for today
Imagine there’s no countries
It isn’t hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people living life in peace, you
You may say I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope some day you’ll join us
And the world will be as one
Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A brotherhood of man
Imagine all the people sharing all the world, you
You may say I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope some day you’ll join us
And the world will be as one

As letras de Lennon descrevem claramente uma Utopia da Nova Ordem Mundial de paz e harmonia. Por enquanto, tudo bem. O problema com a paisagem de sonhos de Lennon como o hino do Globalismo é que ele não tem relação com a realidade objetiva. A qualidade essencial dos sonhos é que eles não são ocupados pelo tempo, espaço, gravidade, pessoas ou qualquer outra consideração na realidade objetiva. Os sonhos são o epítome da realidade subjetiva.

Na realidade objetiva, todos os grupos grandes e pequenos têm algum princípio organizador. Famílias, comunidades, estados, países - quanto maior o grupo, mais importante é o princípio organizador.

A paisagem de sonhos de Lennon não é prejudicada por um princípio de organização, embora o mundo seja o maior grupo concebível. A New World Order definitivamente tem um princípio de organização, mesmo que John Lennon não cante sobre isso. Os liberais de esquerda que cantam a música de John Lennon estão imaginando seus próprios sonhos pessoais de um mundo internacionalizado em paz e harmonia com todas as pessoas do mundo, em todos os sentidos. O problema é que seu universo imaginado não tem nada a ver com a realidade do governo de um mundo descrito em detalhes pelo aristocrata elitista Lord Bertrand Russell em seu livro de 1952 The Impact of Science on Society.

O governo mundial de Russell é um sistema sócio-político binário dos poucos governantes e a população escravizada que os serve. Os liberais de esquerda, progressistas e anarquistas que pressionam o Globalismo são os idiotas úteis que defendem involuntariamente o regresso a uma sociedade tirânica de mestres e escravos.

O globalismo é uma canção muito antiga cantada de novo pela esquerda ingênua e a elite globalista que os enganou com sucesso.

Os americanos que desejam preservar sua soberania nacional e suas liberdades individuais entendem Pittsburgh?? É a prioridade não Paris?? - e é assim que gostamos!

Tradução: Heitor De Paola